sexta-feira, agosto 20

Terapia de confronto

Oi gente


Se pensar em fazer RA emagrecesse, eu já teria sumido!
Mas não emagrece, e o pior é que eu penso e faço tudo ao contrário. Ou tá frio e eu como pra esquentar, ou é pra comemorar que um time da 4ª divisão ganhou o jogo, ou por que me ofereceram e é super deselegante dizer não(mas parecer um urso polar de saia não é deselegante!)
A minha D.E.* estava perfeita -  do verbo dei um fim nela, foi-se e não há de voltar!
Não aguentava mais, porque eu comia, não tinha fome e comia mais, sei lá pra que.
É ai que a terapia de confronto entra, se coloque diante de um espelhão, vestida, de lingerie, sem nada, pode escolher, e se encare, sem murchar a barriga ou olhar de um ângulo mais favorável. No meu caso, se havia alguma dúvida que tinha que fazer alguma coisa, essa dúvida se acabou como que por mágica.
Então resolvi a mudar as coisas, não vou mudar tudo de uma vez porque sei que não consigo.
Tudo a seu tempo, hoje comecei pela parte mais difícil, a COMIDA.







Durante uns dois dias já estava comendo menos, mas continuava comendo errado.
 Não tem aquela frase que diz que a melhor defesa é o ataque?
Então ataquei e ontem reduzi bastante a quantidade de calorias e optei por alimentos líquidos. Só pra dar um tranco no corpinho. E hoje comer tudo dentro dos meus limites de pontos permitidos.
Voltar a fazer A.F. é super importante nãos só, não só pra perder peso, mas pra dar uma levantadinha no astral. Já notou que o dia que vai pa academia, caminha ou faz qualquer coisa pra mexer o trazeiro gordo parece que tudo fica melhor? Deve ser a liberação daquele hormônio...




A falta de coragem de encarar a balança continua, mas tenho que vencer esse obstáculo, e ir na farmácia (ainda me recuso a comprar uma balança).
Sei que não vou gostar nenhum pouco do que vou ver, volto com lágrimas nos olhos, tá?

                                                                Beijos